quinta-feira, 2 de julho de 2009

S.MIGUEL DE SEIDE

a minha cegueira avista a amargura verde

proibida de copiar
os relevos a cor e
a profunda calma do teu rosto
meu amor

veloz é a passagem da alegria e
lento o desespero
que a pressente diluída na distância

Poema de FERNÃO DE MAGALHÃES GONÇALVES
(dedicado a Camilo Castelo Branco)

3 comentários:

  1. Madalena D'Evora3 de julho de 2009 às 13:36

    O mais belo poema dedicado ao grande escritor que foi Camilo Castelo Branco, onde o drama da cegueira o roi de dor, perante a impossibilidade de ver o objecto do amor, tornando a alegria demasiado breve e o sofrimento demasiado lento...

    ResponderEliminar
  2. O mais belo poema dedicado a Camilo Castelo Branco onde o drama da cegueira o roi de dor por não poder ver o objecto do amor...e a alegria é breve e o sofrimento lento e longo...
    Madalena D'Évora

    ResponderEliminar
  3. A extraordinária sensibilidade estética de Fernão Magalhães Gonçalves ao escrever sobre o drama da cegueira de Camilo do Amor e do desepero da condição humana

    ResponderEliminar