sábado, 29 de abril de 2017

Depois do AMOR






AS ESTRELAS


Os Deuses
desceram das estrelas
para me despertar.

Incrivelmente 
gravaram no vento
força poderosa,
mais veloz que o pensamento,
anunciando
Primavera.

A estrela de cinco pontas
pendurada
sobre a mesa
começou a brilhar.
A água saciou-me,
o pão cozido
com sabor e aroma
trouxe-me de volta
a feliz meninice,
abençoada,
dourada.

Renovação?


Manuela Morais
Livro- Depois do AMOR


sexta-feira, 28 de abril de 2017

quarta-feira, 26 de abril de 2017

terça-feira, 25 de abril de 2017

FERNÃO DE MAGALHÃES GONÇALVES




A TURISTA DE ABRIL

Era ela.

ia em camisa descalça
e ninguém mais a sentiu.
não olhava
nem levava nada
era ela
partiu de madrugada.

andou por aí estes dias
cabisbaixa e calada.
trazia
pão num saco
e pedia
cenouras e laranjas no mercado.
como tinha um buraco no vestido e
não se penteava diziam
que era turista
ou artista do Reino Unido
não sabiam.

tinha na boca o lume inumerável de uma papoula
da Turquia ou da Tailândia
e nos dentes toda a neve da Sibéria ou da Finlândia.
ao pisar era crioula
e no bronze dos ombros
menina
latina
ou africana.
flor de tremoço da Califórnia seus olhos de Hera
e a cigana
de Granada
ali à espera
ao ler-lhe a sina
não leu nada.

andava meio nua
deu aos ombros ao polícia
que nem lhe arrancou o nome.
- "deitas as cascas na rua
vai à merda"
disse o guarda
"mata a fome
mas não sujes a cidade
a multa são dois mil paus
que puta de liberdade".

era ela.

dormia nos 
degraus das primeiras escadas que
alguém lhe consentia.

era ela.

- "já foi à fava"
disse o guarda que a via
da janela
para os botões da farda.


Poema de FERNÃO DE MAGALHÃES GONÇALVES
Livro - MEMÓRIA IMPERFEITA


João Barroso da Fonte

11:18 (há 6 horas)
para mim
Drª Manuela Morais: agradeço-lhe muito que me tenha enviado este poema do Saudoso e eloquente Poeta Transmontano que foi Fernão de Magalhães Gonçalves. Já o tinha lido, embora eu tenha grandes mágoas quanto a essa data. Ainda hoje acabo de ouvir uma tal Apolónia na AR a proferir um chorrilho de insultos à minha geração e da geração do grande Fernão de Magalhães Gonçalves. Este poema é bâlsamo cirúrgico para neutralizar essas vozes dissonantes. Espero que hoje seja mais um passo seu para o grande momento da sua felicidade. Um grato abraço do B. da Fonte


Jorge Lage

12:20 (há 5 horas)
para mim

Olá Manuela!
Muito bonita e ao mesmo tempo fez-me recordar um grande dos nossos.

Foi convidada para participar numa antologia de autores trasmontanos ou oriundos de Trás-os-Montes?
Se não foi, diga-me para eu dar o seu contacto a quem está a coordenar a publicação.
Abraço amigo, desde Edmonton - Canadá,


Jorge Lage

Júlia Reis Serra

17:10 (Há 18 minutos)
para mim
Olá, amiga!
Lindo poema e adaptado à realidade. Afinal, a escrita não deixa morrer o poeta.
Felizes os que contemplam à distância estes artistas imortais!
Um beijinho.



Valentina Barbosa

17:18 (Há 12 minutos)
para mim
muito  bonito. ..como todos dele.beijinhos Manela

Rubén Brenes

17:49 (Há 21 minutos)
para mim
Muchísimas gracias. Se lo haré llegar a Dolores y Antonio.

Saludos cordiales,
Rubén Brenes
[E-Learning·Innovación Educativa]


Jorge Golias

18:11 (Há 2 minutos)
para mim
Um belo poema para celebrar este belo dia!
Grato pela partilha.
JG


Manuel Alves

19:33 (Há 25 minutos)
para mim
Manuela
             obrigado pela oportuna lembrança. Poema forte, incisivo, cáustico, bem ao gosto do Fernão.
             Bj da Fátima e meu.


Nuno Figueiredo

20:07 (Há 43 minutos)
para mim
Obrigado, querida amiga!
Tenha um bom dia da liberdade!

beijinhos nossos,
jú e nuno

Emerenciano Rodrigues

22:58 (Há 16 minutos)
para mim
Viva, Manuela

Agradou-me o poema do Fernão. Entretanto, porque não respondi ainda, temos sim, o livro Cântico ao AMOR, e com dedicatória da autora. Foi a própria que nos ofereceu em 2015.


Um abraço



segunda-feira, 24 de abril de 2017

Jorge Luís Borges



"Quando os escritores morrem, eles se transformam nos seus livros. O que, pensando bem, não deixa de ser uma forma interessante de reencarnação."

Jorge Luís Borges



domingo, 23 de abril de 2017



"É preciso viver, não apenas existir."

Plutarco


sexta-feira, 21 de abril de 2017

Depois do AMOR





A VIDA


A vida
sem amor
não tem sentido.
É substância vital
da existência.


Coração amorfo,
sem emoção,
sem a grandeza majestosa
da iluminação,
da plenitude.


É noite sem luar.


Tu, que habitas
outros espaços siderais,
as naves são maravilhosas?
E as galáxias?


Ou, afinal,
estás mesmo
aqui
ao meu lado?
Quando te sinto,
é porque me vens abraçar?




Manuela Morais
Livro - Depois do AMOR



terça-feira, 18 de abril de 2017

segunda-feira, 17 de abril de 2017

domingo, 16 de abril de 2017

Boa PÁSCOA





Boa PÁSCOA

Desenho de ESPIGA Pinto




sábado, 15 de abril de 2017

Concerto na Igreja da Lapa





CONCERTO




Ontem, SEXTA-FEIRA SANTA, a Igreja da Lapa
concebeu um magnífico Concerto.
O Programa foi divinal:


STABAT MATER, de HAYDN
REQUIEM, de MOZART.


Os Cantores solistas, o Coro da Sé Catedral e a
Orquestra Filarmónica das Beiras fizeram magia. . .



sexta-feira, 14 de abril de 2017

FERNÃO DE MAGALHÃES GONÇALVES





SEXTA-FEIRA SANTA




As trevas caíram sobre a tarde meu amor
ensopados pelo sangue dos espinhos
os meus olhos procuram sobre os montes
o perfil parado dos pinhais


dobrada sobre a terra
tu eras a torrente dos nossos serenos dias
estavas como uma rola abatida e eu cuspia ao ar
o vinagre e o fel que tu bebias


secaste as lágrimas no véu que ocultava a vergonha
do meu corpo
seguiste com o olhar o grito
e o eco do meu grito
a terra tremeu debaixo dos teus pés e fixaste
nos meus olhos empedrados
a noite que já mais uniria os nossos gestos.


Poema de FERNÃO DE MAGALHÃES GONÇALVES
Livro - ANDAMENTO



quinta-feira, 13 de abril de 2017

Depois do AMOR





ESPERANÇA


Tempo sombrio,
cruéis lágrimas,
noites agitadas,
delirantes,
coração partido
em mágoas.


Talvez repouse
sobre as águas do mar,
a ferida a cicatrizar.


Deuses,
tenham piedade,
desçam do Céu,
não haja mais lágrimas
para derramar!


Livro - Depois do AMOR
Manuela Morais



terça-feira, 11 de abril de 2017

Depois do AMOR







A DOR


Jesus disse:


"Bem aventurados sois vós que chorais,
  haveis de rir."


A essência da vida
é o amor.


Então,
por que é insuportável
sofrer,
aguentar
tanta dor?!


Livro - Depois do AMOR
Manuela Morais



quinta-feira, 6 de abril de 2017

terça-feira, 4 de abril de 2017

Pensamento





"A paciência é a mais heróica das virtudes, justamente por não ter nenhuma aparência de heroísmo."

Giacomo Leopardi



segunda-feira, 3 de abril de 2017

sábado, 1 de abril de 2017

quinta-feira, 30 de março de 2017